Campanha

Desculpe a imodéstia, mas a idade me dá uma certa autoridade para falar sobre o tal do imprevisível. 120 anos não são 120 dias.

Nasci em 1895, junto com o Raio-X. Lembro bem do espanto do Röntgen diante daquela primeira chapa, nascida por acaso. Aquilo viria a salvar tantas vidas.

O imprevisível estava também no campo de Bagatelle, em 1906. Tinha nome e sobrenome: Alberto Santos Dumont. Um brasileiro, quem diria, voou primeiro.

Aliás, o tempo também voou e logo trouxe o Mundial de 1958. Eu vi um menino de pernas tortas entrar em campo e entortar os gringos.

Eu vi também as mais lindas pernas que já passearam por Ipanema. Vi a garota virar musa, música e sucesso no mundo todo.  

Eu vi boato se transfomar em pânico. Era o tal Bug do Milênio. Novamente, o imprevisível foi generoso: o ano 2000 chegou e a vida seguiu em paz.

Quatro anos depois, eu vi um padre irlandês tentar destruir um sonho. Sem sucesso. O imprevisível transformou Vanderlei Cordeiro em símbolo de superação.

Bem, outro dia mesmo, o danado do imprevisível aprontou de novo: transformou um gari sorridente em orgulho para todos nós, brasileiros.

É, eu vi muita coisa boa nesses 120 anos. E confesso: mal posso esperar pelos próximos 120.

Campanha 120 Anos - Produtos

Homenagem aos funcionários